Faça sua busca:
                            

RÁDIO AO VIVO
Peça sua música


Brasil volta a negar laços entre judeus e Jerusalém, em assembleia na ONU
05/12/2018

 

O Brasil esteve entre as 148 nações que votaram a favor de uma resolução que nega laços judeus com o Monte do Templo

 

Brasil volta a negar laços entre judeus e Jerusalém, em assembleia na ONUA Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU) em Nova York aprovou na sexta-feira (30) seis resoluções anti-Israel, incluindo duas que ignoram os laços judeus com o Monte do Templo, em Jerusalém.

A resolução primária sobre Jerusalém, que recebeu 148 votos a favor, 11 contra e 14 abstenções, também negou a soberania de Israel sobre Jerusalém.

Uma outra resolução sobre o conflito israelo-palestino, que recebeu 156 votos a favor, 8 contra e 12 abstenções, citou o Monte do Templo unicamente pelo nome muçulmano de al-Haram al-Sharif.

Uma terceira resolução, que foi aprovada por 99 votos a favor, 10 contra e 66 abstenções, pediu a Israel que se retirasse das colinas de Golã, localizadas entre o Estado judeu e a Síria.

Mais uma vez, o Brasil se posicionou contra Israel e votou a favor das resoluções sob a administração do presidente Michel Temer. O mesmo aconteceu em dezembro de 2017, quando o Brasil votou para considerar “nula e sem efeito” a declaração do presidente Donald Trump, que reconheceu Jerusalém como capital de Israel.

Países como Estados Unidos, Canadá e Austrália votaram contra todas as seis resoluções, que são o primeiro lote de cerca de 20 resoluções que a ONU estabelece anualmente contra Israel, de acordo com o jornal israelense Jerusalem Post.

Segundo a embaixadora de Israel na ONU, Noa Furman, as resoluções mais preocupantes são aquelas que ignoraram os laços judeus e cristãos com o Monte do Templo.

“Essa omissão foi deliberada. Ela mostra ainda outro exemplo da recusa palestina em reconhecer a comprovada conexão histórica entre o judaísmo, o cristianismo, o Monte do Templo e Jerusalém como um todo”, lamentou. “A comunidade internacional deve parar de participar da negação descarada da história. Não podemos permitir essas tentativas descaradas de deslegitimar Israel”.

A União Europeia, que apoiou os dois textos, advertiu que só iria mudar de posição caso mais línguas fossem usadas para referenciar os locais sagrados em Jerusalém.

O embaixador da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) nas Nações Unidas, Riyad Mansour, agradeceu aos Estados-membros da ONU pelo seu apoio a textos que referenciam uma solução de dois Estados para o conflito israelo-palestino.

Já a representante dos EUA, Leslie Ordeman, se manifestou contra os textos. “Como os EUA deixaram claro repetidamente, essa dinâmica é inaceitável. Mais uma vez, vemos resoluções que são rápidas em condenar todos os tipos de ações israelenses, mas quase nada dizem sobre ataques terroristas palestinos contra civis inocentes”.

 

Outras Notícias:

Dia da Bíblia é celebrado neste domingo (9)
Pastores reunidos no Hotel Holiday Inn Parque Anhembi, em São Paulo
AO VIVO EM VÍDEO
Cristão perseguido da Colômbia vem ao Brasil
Novo projeto de lei preocupa cristãos indonésios

Apoio cultural


Seja um parceiro



Redes Sociais



Última edição online

Confira a última edição da Revista CPAD FM!
Edição: 01

Clique para visualizar



Versículo do dia



Apoio cultural



 
Todos direitos reservados © 2018 - Radio CPAD FM - contato.cpadfmoziel@hotmail.com
Apoio cultural: (83) 3241-2864 / 3222-4700 / 3512-2819 / 8801-0431
Fuzzon Tecnologia